Header Ads

Últimas

Mulheres ganham espaço e dão mais força ao mercado brasileiro de franquias


Conheça as historias de duas franqueadas das redes Mary Help e 5àsec

O crescimento do empoderamento feminino faz com que as mulheres ganhem posições de destaque no mercado de trabalho e, consequentemente, isso tem fortalecido a economia brasileira. Muitas delas deixam de ser colaboradoras de uma determinada empresa para dar um passo adiante e investir no próprio negócio. Esse é o caso de Caroline Czerwenka Rembowski, que decidiu desbravar o setor de franquias, ao investir em três unidades da 5àsec que serão implantadas em São Paulo, em diferentes bairros da capital. A mudança nas escolhas profissionais veio da vontade de empreender, além da opção por ter mais qualidade de vida e tempo para cuidar das filhas pequenas.

De acordo com dados do Anuário dos Trabalhadores das MPE, publicado pelo Sebrae, o número de mulheres empreendedoras no Brasil cresceu 15,4%, registrando um aumento de 6,9 milhões para 8 milhões, em 10 anos, levando em consideração o período de 2005 a 2015. Os índices revelam também que, nesse intervalo de tempo, a participação das mulheres no total de empreendedores passou de 30,7%, em 2005, para 31,6%, em 2015, em todo o território nacional. Um fator relevante que também foi apontado na pesquisa é que os negócios liderados por mulheres sobrevivem mais em tempos de crise.

Caroline Rembowski
Formada em Administração de Empresas e com pós-graduação em Comunicação, este é o caso de Caroline, que teve diferentes experiências profissionais em diversos segmentos, como varejo, e-commerce, agências digitais, entre outros. Há cerca de três meses, a última experiência profissional foi como gerente de e-commerce de uma empresa de cosméticos. Enquanto estava no período de experiência do novo emprego, surgiu a oportunidade de abrir o próprio negócio e ser tornar uma empreendedora investindo em uma franquia. “Tudo estava caminhando de forma bem favorável. Já era cliente fiel da 5àsec e acreditava na marca pela força e credibilidade que tem no mercado. Além disso, a franqueadora estava buscando franqueados para atuar na região onde eu moro e onde está localizada a escola das minhas filhas”, relata Rembowski.

A nova franqueada conta que sempre foi uma pessoa dinâmica e focada na carreira, mas que começou a repensar certas prioridades e ambições de vida após o nascimento das duas filhas. “Estamos falando de uma alternativa que permite o desenvolvimento do meu lado empreendedor e, ao mesmo tempo, faz com que eu tenha mais tempo para conciliar a questão de carreira com qualidade de vida e a criação das minhas filhas. Antes de fechar o negócio, analisamos o business plan e o retorno sobre o investimento, que se mostrou rentável. Tivemos a oportunidade de conversar com o CEO, Fábio Roth, e avaliamos também o direcionamento da empresa, os projetos para o futuro, o suporte e a estrutura que a franquia disponibiliza para auxiliar o franqueado. Diante de tantos fatores positivos, fechamos esta parceria visando a implantação de três unidades na capital paulista”, explica a nova franqueada.

A primeira lavanderia foi inaugurada neste mês, no bairro do Alto da Boa Vista. As demais serão implantadas na Granja Julieta e na Chácara Santo Antônio. A escolha da região está ligada a estudos que evidenciam a sinergia do público-alvo que mora ou está de passagem por estes bairros com o tipo de serviço que é oferecido pela 5àsec. “A intenção é abrir o segundo ponto de operação ainda em 2019 e inaugurar a terceira loja em 2020. Estamos otimistas com as perspectivas do negócio”, afirma Caroline Czerwenka Rembowski.

Simone Carreiras
Já a franqueada da Mary Help, Simone Carreira, ex- profissional de marketing, resolveu mudar de área após 20 anos no mercado corporativo para poder ficar mais próxima de sua família. Ela trabalhava em uma grande empresa que ficava a 40 km de sua casa, o que significava atravessar a cidade de São Paulo todos os dias. O deslocamento era cansativo, e lhe rendia em média de 3 a 4 horas diárias no trânsito. 

Ao ser dispensada pela empresa, a profissional decidiu que não trabalharia mais longe de sua casa, pois não suportava mais o fato de ficar tanto tempo presa no trânsito e longe dos filhos, que só conseguia ver por poucas horas na semana. 

A vontade de continuar com sua carreira, não poderia afetar o contato com os filhos. “Almoçar com eles, buscá-los no colégio, ir às reuniões de pais com maior frequência, coisas que nunca pude fazer por trabalhar muito longe, era o meu maior desejo naquele momento”, afirma Carreira.  

Nos dias que sucederam a dispensa de Simone, surgiram diversas propostas de emprego, mas todas distantes de onde residia, zona leste de São Paulo. Conclusão: foram todas rejeitadas.  Percebendo a dificuldade de encontrar um trabalho em sua área e perto de sua casa, a executiva decidiu que era hora de abrir o próprio negócio. 

Após longas pesquisas decidiu que uma franquia seria o melhor modelo para o seu caso, sem experiência anterior como empresária. Só restava saber qual se encaixaria melhor em seu perfil. Por coincidência ou destino, a poucos metros de sua casa havia a oportunidade de adquirir uma unidade da rede Mary Help – agência de recursos humanos especializada no recrutamento de diaristas e mensalistas. Na mesma época teve a oportunidade de ir na Feira do Empreendedor e conhecer melhor o modelo de negócio e  viu uma chance de voltar ao mercado de trabalho, atuando do lado de sua casa.

O negócio deu tão certo, que Simone já possui duas unidades da Mary Help e neste ano irá abrir mais duas. “Não me arrependo em nenhum momento de ter mudado de área, estou feliz, realizada e conseguindo equilibrar melhor minha vida pessoal e profissional.”, conta Simone, com o sorriso nos lábios.